IV Encontro Nacional de Agroecologia

COMER É UM ATO POLÍTICO!

Você já pensou em quem produz a comida que chega à nossa mesa? Como ela é produzida? O que isso tem a ver com o meio ambiente?

Pois cinco mil pessoas atravessaram as estradas, apesar da greve geral,  num ato de resistência, para participar do IV Encontro Nacional de Agroecologia em Belo Horizonte/MG. O tema do encontro, realizado pela Articulação Nacional de Agroecologia- ANA, não poderia ser mais apropriado à realidade nacional: Agroecologia e Democracia unindo o campo e a cidade.

Aconteceu muita coisa, mas podemos compartilhar aqui alguns pontos altos do encontro.

Qual é o lugar da mulher? Onde ela quiser!

Plenária das Mulheres e seminário Sem Feminismo não há Agroecologia reafirmou o papel das mulheres na família, nos movimentos sociais, nos grupos de trabalho, na produção agroecológica, dizendo não ao machismo e à violência.

Linha do tempo da agroecologia na Mata Atlântica

A SerrAcima, junto com outros grupos da região sudeste entre eles a Sempre Viva Organização Feminista – SOF, os representantes da região do Vale do Ribeira e Região Sorocabana participaram da Tenda do Bioma da Mata Atlântica. Construímos a linha do tempo da agroecologia nesse bioma. Lá pudemos contribuir com a nossa experiência de quase  20 anos em formação em agroecologia, no apoio à constituição do primeiro Organismo de Controle Social – OCS, vinculada ao Grupo de Agricultores Familiares Agroecologicos de Cunha, no apoio à construção da primeira Feira Livre Agroecológica, na Pecuária Agroecológica e por fim da recente experiência iniciada ultimamente com o Grupo de Mulheres do Paiol as quais buscam criar autonomia com a produção de alimentos saudáveis para a família e a produção de produtos ecológicos de limpeza e cuidados pessoas.

Rodas de conversa e Feira de Saberes e Sabores – trocas de sementes.

No final do dia foi realizada a leitura das Cartas Políticas dos grupos de Jovens, Mulheres e Quilombolas assim como a Carta Política do IV ENA com denúncias contra a violência e autoritarismo do latifúndio e de projetos de grande capital.

As apresentações culturais de vários cantos do Brasil aqueceram e enriqueceram o encontro trazendo alegria e a troca cultural.

O último dia do encontro foi marcado pelo Ato Público que ocupou as ruas da cidade de Belo Horizonte em defesa da democracia, da agroecologia, contra os retrocessos e as perdas de direitos que acometem o país desde o impedimento da presidenta Dilma Rousseff. O evento foi encerrado com um banquete público agroecológico com alimentos produzidos por agricultoras/es de todo o Brasil.

Pecuária Agroecológica

Pecuária Agroecologica, transformando pastos em flores.

Em 2014, a SerrAcima iniciou um trabalho de melhoria de pastagens, introduzindo o manejo segundo os princípios do sistema de Pastoreio Racional Voisin – PRV nas propriedades de famílias de produtores dos bairros do Vidro, Campos Novos e Vargem Grande do município de Cunha, SP.

O manejo PRV visa a recuperação do solo e do pasto por meio da divisão da área em parcelas e da introdução de sementes e mudas que diversificam a alimentação dos animais e incrementam a nutrição do solo, evitando-se o uso de concentrado no cocho.

Os resultados observados no campo incluem aumento da cobertura do solo e diminuição da erosão, maior oferta de pastagem, diminuição de formigas e retorno de minhocas, com o melhor aproveitamento das fezes depositadas pelos animais nos piquetes, além do estabelecimento da leguminosa de verão (calapogônio) no pasto degradado.

Vargem Grande – Sr. Jurandir mostra pasto enriquecido com leguminosas – 2018

 

É possível constatar, também, o incremento no bem-estar animal, pois há maior disponibilidade de alimento de qualidade, diminuição de parasitas, água e sombra disponíveis, animais mais tranquilos e saudáveis. Com a utilização de medicamentos homeopáticos e fitoterápicos na prevenção e tratamento das enfermidades do rebanho, são evitados resíduos no leite e no ambiente.

Planejamento para implantação de piquetes – UPF Benedito e Geralda, Bairro Paiol

 

“Com o manejo racional do rebanho, observamos o aumento da produção com menor custo, pois o animal se alimenta do pasto no ponto certo, onde há maior concentração de nutrientes” explica a médica veterinária, Síntia Barbosa Bastos, que acompanha o grupo dede o ano de 2014.

Atualmente, a SerrAcima executa um projeto, com o apoio da Inter American Foundation, por meio do qual nove famílias contam com assistência técnica para o manejo agroecológico da pecuária com vistas a contribuir para a saúde e a nutrição dos animais, diminuir custos de produção e aumentar a renda familiar. A farmácia homeopática foi ampliada e conta hoje 18 princípios ativos.  O grupo está se preparando para o próximo passo: a certificação do leite orgânico a fim de proporcionar garantia participativa da qualidade e ampliar os canais de comercialização.